FAMÍLIA FRANCISCANA PORTUGUESA

CRONOLOGIA

1181

1182

(fins, ou princípios de 1182) - Francisco nasce em Assis, Itália, filho de Pedro Bernardone, mercador de tecidos, e de Donna Pica. Recebeu, no baptismo, ocorrido na catedral de S. Rufino, o nome de João. Seu pai, no regresso duma viagem de negócios da Provença, sul da França, mudou-lhe o nome para Francisco (Francesco ou Francês), em homenagem à França, aonde ia abastecer-se de panos.

 

 

1192

 

 

(Aproximadamente) – Frequenta a escola da paróquia e hospital de S. Jorge.

 

 

1196

 

 

Aos 14 anos começa a trabalhar no comércio de tecidos do pai.

 

 

1198

 

 

A classe burguesa de Assis subleva-se contra os nobres e instaura o regime comunal.

(Primavera) – Os habitantes de Assis assediam «La Rocca» a fortaleza, símbolo do poder imperial, e destroem-na. O imperador era Henrique VI, da Alemanha.    

 

 

1199

 

 

(a 1200) - Guerra civil em Assis, entre a nascente burguesia e a nobreza. Esta, incluindo a família de Clara, refugia-se em Perúsia.

 

 

1200

 

 

Francisco é aclamado Rei da Juventude e, juntamente com a corte dos amigos, passa a vida em festas, banquetes, serenatas, guitarradas e canções, à porta das belas moças de Assis. O pai encanta-se com a fama do filho, que lhe dá grande esperança de continuador dos seus negócios.

 

 

1202

 

 

(Novembro) - Guerra entre Assis e Perúsia.
Francisco participa na guerra entre Assis e a vizinha Perúsia. Na batalha da Ponte de San Giovanni Assis é derrotada e Francisco fica prisioneiro em Perúsia, durante um ano. Na prisão anima os companheiros com sua alegria e canções de liberdade. Comportamento…

 

 

1203

 

 

Francisco, doente, é solto e regressa a Assis.    

 

 

1204

 

 

Prolongada doença e convalescença de Francisco.    

 

 

1205

 

 

(Primavera) – Francisco, ansioso de glória, decide corresponder ao apelo do Papa, alista-se nos exércitos comandados por Gualtier de Brienne, e parte, numa expedição de Assis, para a Apúlia, a libertar territórios do Papa Inocêncio III, e vai para combater na Apúlia. Arma-se magnificamente e parte.

 

Sonho de Espoleto
Quando cavalgava para o campo de batalha, em Espoleto, por meio de uma visão durante a noite, recebe «ordens» para regressar a Assis, onde começa a levar vida retirada, que provoca uma viragem no seu ideal.

     

(Verão) - A graça começa a tornar-se mais sensível e a trabalhar Francisco. Beijo ao leproso.
Entretanto o «Rei da Juventude de Assis» participa numa última festa com os seus amigos.

 

(fins-outono) - Crucifixo de S. Damião.
Em S. Damião Francisco ouve o crucifixo dizer-lhe: «Francisco, vai e repara a minha Igreja que cai em ruínas».
Vai à feira de Folinho vender alguns fardos de panos e o cavalo; oferece o dinheiro ao capelão da igreja de S. Damião, para reconstrução do templo. O capelão recusa.
Francisco entra em conflito com o pai.
Pedro Bernardone desagrada-se desta mudança do filho e move-lhe violenta oposição, enquanto a mãe se mostra mais compreensiva e pacificadora. O pai prende Francisco num cubículo gradeado, mas a mãe, na ausência paterna, abre-lhe as grades.
Francisco é convocado para tribunal civil mas recusa.

 

 

1206

 

 

(Primavera) - Despojamento diante do Bispo de Assis.
Perante o Bispo, Francisco despoja-se da sua roupa, e entrega-a ao pai, renuncia aos bens e ao nome e exclama: “Até hoje chamei pai a Pedro Bernardone; doravante, poderei dizer deveras: Pai Nosso que estais nos céus!”
 O bispo envolve Francisco nu na sua capa e parte para Gúbio rumo à sua vida nova.
Clara gostaria de fazer o mesmo mas tinha apenas 13 anos.    

 

(Verão) – Depois de breve tempo em Gúbio, Francisco volta a Assis, veste-se com o hábito dos eremitas e começa a reparar a igreja de S. Damião.


(Verão) até 1208 (Fevereiro) - Francisco repara sucessivamente S. Damião, uma capela dedicada a S. Pedro e a Porciúncula.

 

 

1208

 

 

(24 de Fevereiro) - Francisco ouve ler (na Porciúncula) o Evangelho da missão dos apóstolos (Mt 10) e descobre, então, a sua vocação para a pobreza evangélica (a vocação apostólica); dispõe-se a pôr em prática o Evangelho escutado: modifica a sua veste, ficando apenas com uma túnica, cingida por uma corda. E começa a pregar.

 

(16 de Abril) - Bernardo de Quintavalle e Pedro Catânio juntam-se a Francisco. Instalam-se em Rivotorto.    

 

(23 de Abril) - Gil de Assis junta-se ao pequeno grupo.    

 

(Primavera) - Primeira missão dos quatro. Vão dois a dois. Francisco e Gil percorrem a Marca de Ancona.    

 

Durante a primavera e verão juntam-se novos companheiros.    

 

(fins) - Segunda missão. Quando já são oito, Francisco envia-os a pregar; vão a Poggio-Bustone e percorrem o Vale de Rieti.
Novo companheiro. Terceira missão.    

 

 

1209

 

 

(princípios) - Regresso dos oito à Porciúncula. Quatro novos companheiros.
    
(Primavera?) Aprovação oral da Regra.
Francisco escreve uma pequena Regra com frases do Evangelho e parte para Roma com os seus onze companheiros.
O Papa Inocêncio III aprova oralmente a sua Regra e Forma de Vida de Frades Menores. No regresso demoram-se algum tempo junto da cidade de Orte, vindo, depois, para Rivotorto.
    
(Setembro ou Novembro) - O Imperador Otão IV, atravessando o Vale de Espoleto, passa nas proximidades de Rivotorto. Francisco e os companheiros não vão assistir à passagem do cortejo...    

 

 

1209

1210

1211

 

 

A estreiteza do lugar obriga-os a abandonar Rivotorto e instalam-se em Santa Maria da Porciúncula, igreja em ruínas dos beneditinos de Assis.
Expulsos de Rivotorto por um lavrador que ali queria instalar o seu jumento, os irmãos instalam-se na Porciúncula.

 

 

1210

 

 

Francisco funda a Ordem dos Irmãos e Irmãs da Penitência, depois chamada Ordem Terceira de São Francisco (Tertius Ordo Franciscani – TOF) e, hoje, denominada Ordem Franciscana Secular (OFS).    

 

 

1211

 

 

(no Verão?) - Francisco projecta uma missão à Síria. Os seus projectos são gorados.

 

 

1212

 

 

(18-19 de Março) - Clara é recebida por Francisco e seus frades.
Clara Favarone, menina de Assis, onde nasceu, a 16 de Julho de 1193 ou 1194. Na noite de Domingo de Ramos, na Porciúncula, Francisco recebe Clara e dá-lhe o hábito da penitência e da pobreza. Retira-se para o mosteiro de Panzo.
Clara tem 18 anos. É 12 anos mais nova que Francisco. É a «primeira pedra» da Ordem das Senhoras Pobres, futuras Clarissas.
Algumas semanas mais tarde Clara e as suas primeiras companheiras instalam-se em S. Damião, depois de terem estado no Mosteiro de S. Paulo, das Beneditinas, a três quilómetros da Porciúncula, hoje S. Paulo de Bastia, no caminho de Perúsia.
Quaresma de Francisco e seus frades em “Carceri” no monte Subásio.

 

 

1213

 

 

(8 de Maio) - Francisco recebe o Monte Alverne.
Em Montefeltro o Conde Orlando de Chiusi dá o Monte Alverne a Francisco, para que nele faça um eremitério e ali se possa entregar à oração.
O Monte Alverne é um dos lugares altos da vida e espiritualidade de Francisco. Ali, recebeu a impressão das chagas do Crucificado.

 

 

1214

 

 

Francisco tenta outra viagem a Marrocos mas é impedido pela doença e outras dificuldades. Percorre Espanha e Portugal, até Santiago de Compostela.

 

 

1215

 

 

Em Assis unem-se alguns nobres e letrados: Frei Pacífico, Tomás de Celano, João Parente, Alberto e Ângelo de Pisa, Elias, etc.
Em 2 de agosto acabada de restaurar é consagrada ao culto a igreja da Porciúncula.
    
(Novembro) - Em Roma Francisco assiste ao IV Concílio de Latrão. É provável que aí se tenha encontrado com Domingos de Gusmão.    

 

 

1216

 

 

(16 de Julho) - O Papa Inocêncio III morre em Perúsia. Dois dias mais tarde é eleito, para lhe suceder, Honório III.
Francisco encontra, provavelmente, o Arcebispo francês Tiago de Vitry.
(Primavera) – Por disposição conciliar reine-se o primeiro capítulo geral oficial da Ordem (1º capítulo “dos 300” em S. Verecundo, Gúbio).
Julho – Inocêncio III concede o “privilégio da pobreza” a Santa Clara.

(no Verão) - Indulgência da Porciúncula.
Em Perúsia Francisco alcança do Papa Honório III uma Indulgência especialíssima para o dia aniversário da consagração da Porciúncula, a igrejinha Mãe da nova Família Religiosa.

 

 

1217

 

 

(5 de Maio - Pentecostes) – Primeiro Capítulo Geral na Porciúncula.
Criação de Províncias e eleição de ministros.
Primeiras missões em países fora da Itália (para além dos Alpes e no ultramar). Francisco pretende ir a França, mas o Cardeal Hugolino retém-no em Florença e persuade-o a ficar na Itália e oferecesse para o ajudar como protector da Ordem.

 

 

1218

 

 

Inverno – Fracassam as missões estrangeiras.
Comparência e pregação diante do papa.

 

 

1219

 

 

Pentecostes – Primeiro envio de religiosos para países muçulmanos.

(fim de Junho) - Francisco embarca em Ancona para S. João de Acre e Damieta, no próximo oriente. 
    
(Outono) - Encontro com o Sultão do Egipto.
Francisco ruma ao Oriente, onde os cristãos europeus movem guerra aos Muçulmanos, para libertarem os Lugares Santos.
 Francisco assiste á tomada de Damieta no Egipto e, arriscando a vida, vai ao encontro do Sultão do Egipto (Melek-el-Kamel), que ficou impressionado com a fé daquele homem, que lhe parecia «um verdadeiro cristão»
Início do diálogo inter-religioso e ao espírito ecuménico.
É recebido benevolamente pelo Sultão do Egipto, prediz a derrota dos cristãos e visita a terra de Jesus.

 

 

1220

 

 

16 de Janeiro – Martírio dos cinco Mártires de Marrocos. Os seus restos mortais são trasladados para Coimbra.
António de Lisboa faz-se Frade Menor.
Pentecostes – Capítulo Geral na ausência de Francisco.
O mal-estar provocado por algumas decisões dos ministros e vigários.
     
(Primavera e Verão) - Alertado pelas dificuldades porque está a passar a Ordem na sua ausência, Francisco regressa do Oriente antes do previsto com Pedro Catânio, Elias e Cesário de Espira.
Regressa doente de malária e com uma grave infecção ocular.
Setembro – Hugolino ajuda-o a resolver os problemas da Ordem.
O Papa impõe o noviciado e não aceita a renúncia ao cargo de Ministro Geral.

 

 

1221

 

 

Setembro-Outubro – Francisco, doente e deprimido, resigna o seu cargo de Ministro Geral e designa Pedro Catânio para lhe suceder como vigário no governo da Ordem.
A pedido de Francisco o Papa designa o Cardeal Hugolino para protector da Ordem.
Outono – Doente e convalescente em casa do bispo Guido II.
Acusa-se publicamente de suas faltas e castiga-se duramente, para dar exemplo.

Aprovação da Regra da OFS
Francisco obtém do Papa Honório III a aprovação da Regra dos Irmãos e Irmãs da Penitência, dita, hoje, Ordem Franciscana Secular.
    
(10 de Março) - Morte de Pedro Catânio. Frei Elias de Assis é designado para lhe suceder, com o título de Vigário Geral.
    
(30 de Maio - Pentecostes) – Último Capítulo Geral “das esteiras”, com 3.000 participantes.
Cria-se a província da Alemanha. Santo António, destinado a Montepaolo (Forlí), revela-se um grande pregador.
Primeira Regra (RnB ou 1R) das actualmente conhecidas.

 

Verão – Francisco percorre o centro e sul de Itália. Passa a quaresma de S. Martinho em Contigliano. Foge da vanglória e mortifica-se mais do que o devido, para dar exemplo. A um noviço que lhe pede um saltério ensina a antepor a virtude à ciência.
Percorre o centro e as regiões meridionais da Itália.

 

 

 

1222

 

 

Primavera – Francisco regressa a Asis com uma forte depressão, manifestada, por exemplo, na sua visita a Clara e a suas irmãs reclusas em S. Damião.
Pentecostes – Capítulo tenso pela pressão de alguns ministros que preferem a regra de Santo Agostinho ou a de S. Bento.
Primavera-Verão – Percorre o norte de Itália. Prega em Alexandria? E Bolonha.
Outono – Prega em Florença, Poggiobonsi, Siena e Sarteano (Siena), onde combate as tentações fazendo bolas de neve.    

 

 

1223

 

 

No início do ano (ou Inverno?) - Em Fontecolombo, Francisco com Frei Leão redige (escreve/dita) a regra definitiva, segunda Regra (RB ou 2R), que será discutida no Capítulo Geral de Junho e, depois, aprovada em 29 de Novembro desse mesmo ano pelo Papa Honório III.
Frei Elias extravia o texto e o Santo compõe-no de novo.
Primavera-verão – A doença impede-o de ir ao Capítulo, onde os ministros deviam debater o novo texto.

Aprovação da Regra dos Irmãos Menores.
Novembro - O Papa Honório III corrige e aprova a Regra definitiva ou Regra bulada (2 R) da Ordem dos Frades Menores (OFM), com a bula Solet anuere.
    
Dezembro de 1223 a Abril de 1224 – Francisco regressa a Fontecolombo.
(24-25 de Dezembro) - Natal de Greccio.
Francisco celebra, na noite de 24 para 25 de Dezembro, a festa de Natal, em Greccio, aldeia do Vale de Rieti, na propriedade do seu amigo, João de Velita, que, ali, preparou o primeiro presépio. Francisco oficiou de diácono na missa.
Permanece ali até à Páscoa.

 

 

1224

 

 

Abril-Maio – A caminho de Assis por Perúsia. Dita a Frei Leão “A perfeita alegria”
Durante o capítulo limita-se a rezar e a dar bom exemplo.
Entra em vigor a nova Regra. Daqui em diante os Capítulos serão trienais.
Cria-se a Província de Inglaterra.
    
(Verão) – Francisco entretém-se com a cigarra e o falcão. Sai de Assis e detém-se em Montacasale e La verna.
() - Francisco retira-se para o Monte Alverne, onde decide fazer uma quaresma de 15 de Agosto a 29 de Setembro, para a festa de S. Miguel.

Francisco recebe os estigmas.
Em 14 ou 15 de Setembro Francisco tem a visão do Serafim alado e recebe em seu corpo as chagas de Cristo Crucificado (estigmas).
Outono -  O lobo de Gúbio.
Francisco sai de La Verna por Borgo, Sansepolcro, Montecasale, Cittá di Castello (um mês), Gubbio (os lobos), San Verecundo (a porca e o cordeiro), Assis. Continua com Frei Elias por Foligno, Terni e Narni. Oculta as chagas, porém o Senhor manifesta-as com prodígios.
    
(Outubro ou princípio de Novembro) - Francisco regressa à Porciúncula, passando por Borgo San Sepolcro, Monte Casalle e Cittá di Castelo.    
1224

(Dezembro a Fevereiro) - Montado num jumento, Francisco empreende uma viagem de pregação pela Úmbria e pelas Marcas.

 

 

1225

 

 

(Dezembro a Fevereiro) - Montado num jumento, Francisco empreende uma viagem de pregação pela Úmbria e pelas Marcas.

Inverno-primavera – A paz e as criaturas.
Doente e quase cego em S. Damião.    

(Março a Maio) - A doença dos seus olhos piora. Quase cego acolhe-se a S. Damião e, a instâncias de Frei Elias, aceita submeter-se a um tratamento, mas sem resultado. No meio de grandes sofrimentos ele recebe de Deus a certeza da sua salvação eterna.
Ali, alquebrado, esmagado de dores e quase cego, compõe e canta, em Abril ou Maio, o Cântico das Criaturas, ou do Irmão Sol.

(Junho) - Francisco acrescenta uma estrofe ao Cântico do Irmão Sol e alcança a reconciliação entre o Bispo de Assis (D. Guido) e o «Podestá» da cidade (Berlinguério).

Verão-outono – Em Rieti (La Foresta, Fontecolombo) para a cura oftalmológica.
Recebe uma carta do Cardeal Hugolino e deixa S. Damião, dirigindo-se para o Vale de Rieti para novo tratamento e é acolhido pelo Cardeal Hugolino, seu grande amigo.

(princípio de Junho) - Acolhido em Rieti pelo Cardeal Hugolino e pela corte papal, ele dirige-se para Fontecolombo para se submeter a um tratamento ordenado pelo Cardeal. Mas com a ausência de Frei Elias o tratamento é retardado.

(Julho-Agosto) - Em Fontecolombo o médico cauteriza-lhe as têmporas, aplicando-lhe um ferro em brasa, sem resultados.    

(Setembro) - Francisco dirige-se e São Fabião, perto de Rieti, onde um outro médico tenta tratá-lo por meio de sangria das orelhas. A vinha do pároco de São Fabião, agastado com a devastação operada pelos admiradores e devotos de Francisco, produz, devido à oração deste, uma colheita maior do que a do costume.

 

 

1226

 

 

(Abril/inverno) - Ida a Sena para um novo tratamento.    
1226    (Maio ou Junho) - Chegada ao eremitério de Celle di Cortona com Frei Elias, onde redige o chamado Testamento de Sena. Depois regressa à Porciúncula.
    
(Julho-Agosto) - Na época mais quente do verão Francisco demora-se em Bagnara, na montanha perto de Nocera.    
        
Morte e sepultura.
(sábado, 3 de Outubro) - «Bendito sejas, Senhor, pela nossa irmã a morte corporal…»
- Logo após o pôr-do-sol Francisco morre na Porciúncula rodeado dos Irmãos, banhados em lágrimas.
No dia 4 – Solene funeral e sepultura na igreja de São Jorge (Frei Elias), dentro das muralhas da cidade de Assis. O cortejo fúnebre passa por S. Damião e aí se detém por alguns momentos. Pranto de Clara e das damianitas.

 

 

1227

 

 

Em Março de 1227 morre Honório III.
(19 de Março) - O seu amigo e Protector da Ordem, o Cardeal Hugolino, é eleito Papa, tomando o nome de Gregório IX.

 

 

1228

 

 

Canonização e sepultura definitiva.
(16 de Julho) - Gregório IX canoniza Francisco na explanada da igreja de S. Jorge em Assis (Praça de Santa Clara). 
Em 17 de Julho o papa coloca na “Colina do Inferno” a primeira pedra da Basílica de S. Francisco, para sua sepultura, e nomeia Frei Elias responsável pela construção.    

 

 

1230

 

 

Frei Elias manda exumar o corpo de Francisco e no dia 25 de Maio, os restos mortais do Pai da Família Franciscana são trasladados num sarcófago para a nova Basílica de São Francisco de Assis.

 

 

1253

 

 

Abril – Inocêncio IV consagra solenemente a dupla Basílica de S. Francisco.
11 de Agosto – Morre Santa Clara. Inocêncio IV preside ao seu funeral.